Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Taverna Taller #1 – DevOps não é uma profissão!

Taverna Taller é um podcast criado para explorar um tema quente por mês. Cada programa contará com a presença de um integrante do time da Taller ou de algum convidado especial.

Coloque um fone de ouvido, dê o play e aproveite o passeio. Mas cuidado, nem tudo é o que parece Muahaha!

Veja a lista com todos os programas | Taverna Taller no iTunes

* * *

(Confira a seguir a versão transcrita e adaptada do podcast)

ø – A busca por respostas

Com a curiosidade de um jovem iniciante, nosso viajante galopa em direção à taverna da cidade ao lado em busca de respostas. Depois de algumas horas encontra o misterioso e aconchegante local.

Ban, o guardião da taverna, nota a chegada do viajante e prontamente inicia sua abordagem:

[Guardião da Taverna]

Olá!
Seja bem-vindo à Taverna Taller! O ponto de encontro daqueles que acreditam que as relações de trabalho no mundo tecnológico podem ser melhores.

Como posso ajudá-lo?

[Viajante]

Oi! Sou um viajante da cidade ao lado.
Estou a procura de alguém com quem eu possa conversar sobre DevOps.

Estão espalhando pela vizinhança o boato de que DevOps é uma nova profissão.

Eu desconfiei que esta história estava mal contada.
Me disseram que na Taverna Taller eu encontraria alguém para me aprofundar no assunto.

Com quem posso conversar?

[Guardião da Taverna]

Então deixe-me apresentar o Sr. Handrus Nogueira. Siga-me.

Taverna Taller

— Os dois entram na taverna. Música alegre e pessoas conversando preenchem o espaço. —

[Guardião da Taverna]

O Handrus é aquele que está ali ao lado do bar. Chegue sem fazer muito alarde.

[Viajante]

Ei, Handrus!
Preciso falar com você.

Tenho recebido muitas informações desencontradas sobre o que é DevOps. Você poderia explicar como este termo surgiu?

I – O que é e como surgiu o DevOps

[Handrus]

O DevOps começou com o pessoal do Silicon Valley. Eles começaram a fazer alguns encontros para fomentar as discussões entre pessoas de desenvolvimento e operações para que interagissem mais. Isso começou dentro de algumas empresas que fizeram um meetup. Algumas empresas pequenas começaram a participar e o meetup acabou crescendo rapidamente. O DevOps virou um termo cunhado para essa cultura de integração entre o pessoal de desenvolvimento(Dev) e o pessoal de operações(Ops). Por isso que o “D” e o “O” são maiúsculos.

 [Viajante]

Como você resumiria DevOps em um tweet?

[Handrus]

“DevOps é a cultura de integração entre a área de desenvolvimento e a de infraestrutura.” O termo operações não é muito utilizado aqui no Brasil.

II – Por que não se deve chamar DevOps de profissão.

[Handrus]

Depois do termo ser cunhado como cultura de integração, ele passou a ser adotado por algumas grandes publicantes dos Estados Unidos. Então, o pessoal começou a divulgar as regras do DevOps ou como adotá-lo na sua empresa.

Quando você fala em um profissional DevOps, faz tão pouco sentido como dizer “um profissional de SCRUM”. Você pode contratar um profissional com experiência em SCRUM, mas não existe o profissional SCRUM. Assim com não existe o profissional Lean.

Eu só vejo esse movimento aqui no Brasil. É uma característica endêmica nossa de adotar uma palavra de fora, sem entender a origem dela. Inclusive, se você disser para alguém de fora do Brasil que está contranto um profissional de DevOps você criará uma sensação de desconforto.

III – Relação entre DevOps e ágil

[Viajante]

É possível fazer uma analogia do DevOps com o ágil?

[Handrus]

É possível. DevOps está dentro do ágil. A ideia do DevOps é fomentar a agilidade destas duas áreas. A história do surgimento dos eventos iniciais era justamente por que se tinha uma dificuldade de entrar com o ágil dentro da área de operações, e isso acabava se tornando um gargalo.

Você tinha os desenvolvedores fazendo entregas incrementais diárias, e o pessoal de infra – mais preocupados com questões de segurança e controle das ações que são feitas. Essa galera era mais resistente a fazer mudanças com mais regularidade.

A ideia era poder alinhar esses times, trazendo-os para as tecnologias atuais – que a gente já divulga bastante no blog da Taller, quando falamos de Ansible e Juju – e assim o pessoal de infraestrutura se empodera para ser tornar mais ágil. Tanto é que, uma das primeiras premissas de DevOps é: automatizar tudo que seja relacionado à criação de infraestrutura.

IV – DevOps como cultura

[Viajante]

Na sua visão, DevOps é mais metodologia ou mais cultura?

[Handrus]

É cultura. Existe muita gente pregando metodologias para se alcançar uma cultura DevOps. Mas ainda não existe algo similar ao SCRUM – que é uma metodologia para se alcançar uma cultura ágil.

V – O que não é DevOps

[Viajante]

O conteúdo apresentado no texto “DevOps, a nova profissão de TI para 2016!” pode ser considerado uma metodologia DevOps?

[Handrus]

Não. Ele está descrevendo ali o que é um bom profissional de Ops. Até comentei o texto dizendo que é um excelente curso de operações, mas falta a parte de dev. Não dá nem pra falar que este curso está te preparando para aplicar o DevOps. É só Ops. E alí ainda falta toda a parte ágil de Ops, o que é ainda mais preocupante. Deturpou bastante o conceito original. Ali não tem nada de versionamento e provisionamento de ambiente. Provisionamento é o que permitiria ser mais ágil.

[Viajante]

Neste mesmo comentário você disse que adotar o DevOps como profissão seria contraproducente e errado. De que forma isso seria contraproducente?

[Handrus]

Porque a gente começa a trazer uma cultura errada para o Brasil. E ao invés de espalhar que isso é uma cultura que precisa ser adotada, que é algo que empodera o ágil – que é a ideia original, dizer que DevOps é profissão é ir para o sentido contrário. Ao invés de integrar as duas áreas, contratar um profissional é colocá-lo numa torre de marfim, isolado e com a expectativa de resolver todos os problemas culturais e técnicos. Por isso que é contraproducente.

[Viajante]

Então é criada mais uma ilha de conhecimento ao invés de criarmos uma ponte.

[Handrus]

É também injusto exigir que um profissional conheça as duas áreas profundamente. É como se a gente estivesse pegando o profissional “T shaper” – que é um generalista que se especializa em uma área – transformando-o em um “W shaper” – generalista que se especializa em algumas áreas.

Hoje em dia a gente tem o pessoal de front-end mexendo com Ops, onde compilam o CSS. Tem o pessoal de back-end mexendo muito com o Ops porque eles querem a versão mais nova disso e daquilo. Muitas vezes você depende da instalação uma versão mais nova de um servidor http, por exemplo, pra ter uma funcionalidade que você precisa. Você pode precisar atualizar o NODE mensalmente… Não podemos exigir que esse profissional conheça essas áreas profundamente, e ainda continue sendo um bom profissional de infraestrutura (que conheça de segurança a fundo). Ele seria um cara que além da aplicação, estaria vendo todo o ecossistema que está ao redor dela.

Além de ser injusto, é contraproducente porque a gente quebra a cultura.

VI – Quem pode puxar essas mudanças culturais

[Viajante]

Qual seria o profissional que poderia puxar esse tipo de mudança cultural dentro da empresa?

[Handrus]

Quando a gente fala de uma empresa maior, o ideal seria um gerente, ou alguém com um cargo administrativo que possa quebrar mais barreiras, e que possa mostrar que aquilo é algo que está sendo levado à serio. A gente tem um exemplo de um cliente nosso que, literalmente, quebrou a parede do pessoal de infra. Existia uma sala em um andar, que era onde fica o pessoal de infra. Essa sala deixou de existir e virou um ambiente só. Isso mostra por que surgiu o DevOps. Mesmo que exista essa penetração de ágil no desenvolvimento, a infra ainda era vista como “os caras que ficam trancados num porão” e que você dificilmente quer ver, e que ele dificilmente quer ver você.

VII – Onde buscar informações sobre DevOps

[Viajante]

Onde você recomendaria o pessoal a buscar mais informações?

[Handrus]

No Brasil ainda estamos muito insipientes. Se você procurar por informação em inglês esse mito que a gente alimenta não está espalhado por lá, então é mais fácil encontrar material. A própria Wikipedia te mostra por onde começar.

O que se deve evitar é procurar no lugar errado. O que é o curso de DevOps, que é o cara que procura uma vaga de DevOps, pois já estão partindo do conceito errado. Comento isso porque eu vejo isso se espalhar no Brasil. Num evento de ágil vi uma galera conversando no canto, dizendo que é DevOps na empresa onde trabalha… A gente precisa parar isso antes que se espalhe.

[Viajante]

Que comunidades podem ser o ponto de partida para quem está começando?

[Handrus]

Em São Paulo tem uma comunidade de DevOps forte. Esse pessoal tem um grupo de encontro semanal que é um meetup. A lista de e-mails dele está bem bacana.

Alguns palestrantes estão começando a falar sobre isso. Tem o Sebas, aqui da Taller.

[Handrus]

Eu deixo como indicação dois artigos da Havard Review que falam bastante sobre o assunto. Um fala sobre as 10 Regras de DevOps. E o outro diz que 2016 será o ano do DevOps. Neste artigo, são definidos 12 regras, que apresenta a décima segunda regra, e que relaciona o DevOps com a parte de negócios da empresa. Diz porque você vai ver CEO, CFO começando a se preocupar com este tema.

VIII – Levando a mensagem para a terra-natal

[Viajante]

Handrus, obrigado pela conversa. Voltarei agora mesmo para minha cidade levando muito do que você expôs agora. Até!

Taverna Taller

— Do lado de fora da taverna o guardião acompanha o viajante até o estábulo —

[Guardião]

Já terminou?

Não se esqueça de visitar o blog da Taller para conferir nossos conteúdos. A conversa de vocês está disponível por lá.

Até breve!

* * *

 

Veja a lista com todos os programas →


***
Recado da Taller:
Criamos o Programa de Otimização da Gestão Ágil para quem quiser levar as práticas de eficiência de trabalho para dentro da sua empresa.

Conheça a Programa →

***

  • Sensacional a ambientação, muito criativo :-)

    Parabéns ao núcleo!